5 de abril de 2018 ás 11:05 por

Soldadinho-do-Araripe terá área de Refúgio da Vida Silvestre no Crato

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

O raro Soldadinho-do-Araripe (Antilophia bokermanni) será mais protegido nas poucas áreas onde a espécie faz o favor de resistir. No Crato, município do Cariri cearense, acaba de ser criado um território para o Refúgio da Vida Silvestre (Revis). Uma Unidade de Conservação Integral e Municipal, prevista pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc).

Na prática, a prefeitura do Crato demarcou 5.103,38 hectares de mata, nascentes e outros recursos naturais que não poderão ter a interferência humana para destruição ou avenço da urbanização insustentável das cidades.

De acordo com Fábio Nunes, biólogo da Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos (Aquasis), a delimitação do Revis proíbe a supressão de árvores, caçadas, desvio do curso de rios e riachos ou qualquer investimento que cause o desequilíbrio da floresta esquadrinhada por lei.

E não é para menos. A existência do Soldadinho-do-Araripe depende, principalmente, da floresta e fontes d´água preservadas. A espécie, endêmica do Ceará e restrita aos municípios de Barbalha, Crato e Missão Velha, foi descoberta em 1996 pelo zoólogo brasileiro Werner Bokermann.

De lá para cá, com a destruição de habitats, quase desapareceu e é considerado uma das cinco espécies da fauna cearense mais ameaçadas de extinção global na lista oficial brasileira de 2003 (MMA/Ibama). Também está classificada como “criticamente em perigo” pela União Internacional para a Conservação da Natureza (BirdLife International 2004)

O Revis tende a garantir a vida do Soldadinho-do-Araripe na natureza e, por tabela, beneficiar outras espécies da fauna e da flora, que passam a ser protegidas integralmente nas encostas do Crato, do distrito de Campo Alegre até Romualdo.

Segundo dados da Aquasis, em 2000, a população de soldadinhos era estimada em menos de 50 indivíduos. Sendo que apenas três machos e uma fêmea foram catalogados. Em 2003, em novo levantamento, a estimativa subiu para 250 indivíduos e, hoje, estão sendo feitos novas pesquisas. Além dos recursos da prefeitura cratense, os estudos técnicos para a criação da Revis custaram R$ 176 mil para o Governo do Ceará.

OUTRO REFÚGIO

PERIQUITO-DA-CARA-SUJA

Na Serra de Baturité também será demarcada uma área de Refúgio da Vida Silvestre (Revis). Segundo Artur Bruno, secretário do Meio Ambiente do Ceará, uma unidade de proteção integral. Ali, vive o periquito-da-cara-suja, espécie companhada pela ONG Aquasis desde 2010 e que esteve em situação delicada de existência. No próximo dia 7/4 serão realizados os primeiros estudos para delimitação da poligonal da Unidade de Conservação que sera desenhada, inicialmente, na área do Sítio Batalha.

Leia também